A Airbus, fabricante do avião da TAM que explodiu ao sair da pista do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, em 2007, vai pagar uma indenização de mais de R$ 30 milhões a um grupo de familiares das vítimas. No acidente, 199 pessoas morreram. Do total de mortos, 187 estavam na aeronave e 12 estavam no prédio da empresa. O acordo foi homologado no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

A Airbus, fabricante do avião, vai indenizar em mais de R$ 30 milhões um grupo de 33 familiares. De acordo com a associação das famílias, é a primeira vez que a empresa vai pagar uma indenização pela tragédia.

O advogado que representa o grupo conta que só decidiram acionar a empresa porque existiam suspeitas de que o a tragédia aconteceu por conta de um problema mecânico no avião. “A ação foi originalmente movida contra a TAM, que operava a aeronave, e a Airbus, que fabricou a aeronave”, explicou Flávio Galdino, advogado das 33 famílias.

 Roberto Corrêa Gomes, irmão de uma vítima e um dos coordenadores da Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAMJJ3054 (Afavitam), em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que uma das vítimas era um cidadão dos EUA e sua família ingressou contra a Airbus nos EUA, o que abriu brecha para outros procurassem o mesmo caminho.

“A família da primeira vítima identificada na tragédia do voo JJ3054, que era um cidadão americano, entrou na Justiça lá nos Estados Unidos contra a Airbus, o que levou alguns familiares a realizarem a mesma ação”, explicou Gomes.

O coordenador da Afavitam disse ainda que não tem como precificar a vida dos mortos que estavam na aeronave. “Muitos acham que as famílias que estão recebendo indenização estão milionárias. Não é verdade, não alterou o padrão de vida de ninguém. Tirando os honorários advocatícios e os impostos, cada família deve receber pouco mais de R$ 200 mil”, explica Gomes.

Por mais que o dinheiro não pague a ausência de um familiar, o dinheiro pode ser considerado uma pequena compensação, diz o advogado. “O que acontece com isso é que se atenuam os problemas econômicos que as pessoas sofrem em razão das perdas de seus parentes. É uma pequena compensação para uma perda abrupta e muito dolorosa para as famílias”, explicou o Galdino.

Além do acordo, foram pagos para os parentes um seguro obrigatório poucos anos após a tragédia e uma indenização complementar ordenada no mês retrasado pelo Tribunal Regional Federal em São Paulo.

A Airbus foi procurada, mas afirmou que só vai se posicionar sobre a questão depois de consultar a matriz da empresa, na França. A TAM não faz parte deste processo, mas informou que as famílias de 197 vítimas receberam indenizações.

Airbus vai pagar indenização de mais de R$ 30 milhões paga grupo de 33 famílias de vítimas de acidente que aconteceu em Congonhas, em 2007 (Foto: Arquivo/Evelson de Freitas/AE)
(Foto: Arquivo/Evelson de Freitas/AE)

A tragédia com o voo da TAM completou dez anos em julho sem nenhuma pessoa condenada pelo acidente. O Ministério Público Federal chegou a acusar três pessoas, mas todas foram inocentadas.

O avião partiu de Porto Alegre e atingiu o prédio da TAM que ficava do outro lado da rua de uma das avenidas mais movimentadas de São Paulo. No local, atualmente, existe uma praça com 199 pontos luminosos que representam as vítimas e que foi inaugurada há cinco anos. Do total de mortos, 187 estavam na aeronave e 12 estavam no prédio. A construção do espaço foi mais rápida do que o desenrolar do processo de indenização das famílias na justiça.

Acidente com avião da TAM matou 199 pessoas em Congonhas (Foto: Reprodução / TV Tem)
Acidente com avião da TAM matou 199 pessoas em Congonhas (Foto: Reprodução / TV Tem)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here