O time formado por alunos da Universidade Federal do Pará, de Belém, foi o grande vencedor do Enactus Brasil 2020, maior evento de empreendedorismo social da América Latina, ganhando o direito a representar o Brasil na competição global em setembro. O grupo desenvolveu dois projetos inovadores: o Anamã, um sistema de ecobarreiras para reduzir a poluição por plástico nos rios do Amazonas, e o Costuraê, de produção de máscaras com visor transparente para a leitura labial de surdo-mudos – veja o vídeo,

O time vencedor foi um dos quatro apoiados este ano pelo Ford Fund, braço filantrópico da Ford, por meio do Ford College Comunity Challenge (Ford C3), com uma verba de US$ 5 mil para colaborar no desenvolvimento de seus projetos. O objetivo da competição é incentivar os universitários a criar soluções práticas e inovadoras voltadas a necessidades críticas de suas regiões e contribuir para a construção de comunidades sustentáveis.

“É uma satisfação ver que os times apoiados pelo Ford Fund tiveram ótimo desempenho nessa competição, mostrando iniciativas importantes de empreendedorismo social”, diz Roberta Madke, gerente de Comunicação Corporativa e Responsabilidade Social da Ford. “As soluções e ideias inovadoras apresentadas no evento confirmam que investir no potencial desses jovens vale a pena.”

Os concorrentes foram avaliados por uma banca de juízes composta por CEOs, líderes de negócios e profissionais experientes do mercado brasileiro nesta edição do Enactus Brasil 2020, que devido à pandemia foi realizada virtualmente.

Projetos sociais e ambientais

O Projeto Anamã tem como foco o Rio Amazonas, considerado o segundo mais poluído por plástico do mundo, com o treinamento de jovens em situação de risco social para produzir e vender duas tecnologias de reciclagem de plástico. A primeira é uma ecobarreira de baixo custo, que prende os resíduos plásticos antes de chegarem ao mar. Feita com tubos de PVC, garrafas PET e fibra de banana, que elimina impurezas da água, ela é 77% mais barata que as alternativas disponíveis no mercado.

O grupo desenvolveu também uma máquina de fazer filetes de garrafas PET, que além de serem mais resistentes que o nylon custam 94% menos. Ambas as tecnologias podem ser vendidas para negócios e indústrias. Além disso, é feita a capacitação da população ribeirinha para o seu aproveitamento.

O Projeto Costuraê já havia sido premiado também no desafio global Ford College Community Challenge, promovido em maio pelo Ford Fund, com projetos para ajudar as comunidades a superar as dificuldades causadas pela Covid-19. Criado originalmente para a produção de EcoBags, gerando renda para a comunidade local, ele foi adaptado para fazer máscaras com material reciclado, incluindo partes transparentes sobre a boca para facilitar a comunicação com os surdo-mudos.

O campeonato da Enactus Brasil 2020 contou com a participação de 40 times universitários de todo o país, dos quais foram selecionados 16 semifinalistas, e quatro finalistas. Entre estes, o time do Instituto Federal de Igatu, do Ceará, também apoiado pelo Ford Fund, ficou entre os quatro melhores com um projeto de irrigação de baixo custo.

Na Liga Rookie de times estreantes, disputada à parte, o time da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), de Ilhéus, na Bahia, também apoiado pelo Ford Fund, ficou entre os quatro finalistas com o projeto Enpathos. O time  criou um site para conectar profissionais voluntários de diversas áreas a pessoas que precisam de ajuda, principalmente pequenos empreendedores voltados a atividades de cunho social e economia solidária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here