A autópsia realizada no corpo do zagueiro Davide Astori, nesta terça-feira, confirmou que o capitão da Fiorentina morreu em consequência de uma parada cardíaca “causada, provavelmente, por causas naturais”. O procedimento levou cerca de três horas e foi conduzido pelo médico Carlo Moreschi e pelo professor de medicina forense na Universidade de Udine, Gaetano Thiene. O Ministério Público assinou em seguida a autorização para a restituição do corpo à família.

– Exames sérios aprofundados são necessários para o diagnóstico definitivo – diz o laudo assinado pelos dois profissionais, que pediram 60 dias para concluir as investigações.

Homenagens ao capitão da Fiorentina, Davide Astori  (Foto: EFE) Homenagens ao capitão da Fiorentina, Davide Astori (Foto: EFE)

Monitorado, a Justiça italiana levantou a suspeita de homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Por isso, a necessidade da autópsia desta terça-feira em Udine. O enterro do corpo está marcado para quinta, na Basílica de Santa Croce, em Florença.

Com passagem pela seleção italiana (defendeu a equipe na Copa das Confederação de 2013, no Brasil), Davide Astori foi encontrado morto na concentração da Fiorentina na manhã deste domingo. O jogador de 31 anos estava em um hotel em Udine, cidade onde a equipe de Florença enfrentaria a Udinese neste domingo pelo Campeonato Italiano.

Os legistas que realizaram a autópsia no atleta, de 31 anos, descobriram que a morte foi causada por “uma parada cardíaca sem explicação macroscópica, seguramente como consequência de uma bradiarritmia”.

Nesta terça-feira (6), tanto a Fiorentina como o Cagliari, onde Astori despontou, comunicaram a aposentadoria do número 13, utilizado por ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here