A Polícia Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (26) sete mandados de busca e apreensão no âmbito da investigação que apura irregularidades na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão da Arena Fonte Nova.

A Operação Cartão Vermelho busca suspeitos de envolvimento na fraude a licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo investigação, a obra foi superfaturada em valores que, corrigidos, podem chegar a mais de R$ 450 milhões.

A licitação que culminou com a Parceria Público Privada (PPP) foi direcionada para beneficiar o consórcio Fonte Nova Participações (FNP), formado pelas empresas Odebrecht e OAS.

Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região e estão sendo cumpridos em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso. Os mandados têm por objetivo possibilitar a localização e a apreensão de provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro.

Jaques Wagner
A Polícia Federal faz buscas no apartamento do ex-governador da Bahia e atual secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia, Jaques Wagner (PT), no Corredor da Vitória, em Salvador, na manhã desta segunda-feira (26). Os policiais chegaram ao condomínio Victory Tower no início da manhã. Por volta das 8h25, os agentes deixaram o local, com uma mochila e um malote.

O advogado de Wagner, Pablo Domingues, esteve no prédio, localizado no Corredor da Vitória, área nobre da capital baiana. Segundo reportagem da TV Bahia, o advogado ainda está apurando a situação e que foi surpreendido pela operação. já o G1 falou com a assessoria da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e aguarda posicionamento.

O consórcio responsável pela Arena Fonte Nova informou que está colaborando com as autoridades e ficou de enviar um comunicado por e-mail.

Itaigara
São cinco equipes da PF em ação na manhã de hoje. Uma delas, composta de menos cinco policiais federais, cumprem um dos mandados no escritório da empresa Parceria Inteligente, que ocupa duas salas, de números 337 e 338, no Edifício Max Center, no bairro do Itaigara.

Quatro policiais, incluindo uma delegada, chegaram por volta de 7h. Eles chegaram a entrar com duas testemunhas, um segurança e uma funcionária da limpeza do edifício – procedimento de praxe da PF. O segurança saiu da sala pouco depois, e se limitou a dizer que o local funciona como um “escritório virtual” do ramo da construção civil.

Sala onde equipe da PF cumpre um dos mandados no Itaigara (Foto: Tailane Muniz/CORREIO)

Por volta de 7h30, um homem e uma mulher chegaram com a chave da sala e entraram. À imprensa, disseram que não queriam ser filmados ou entrevistados. Eles permanecem dentro do escritório. O quinto policial federal chegou por volta de 7h50, acompanhado de uma mulher – possivelmente outra funcionária do local.

Fonte: Correio* e G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here